28 setembro 2009

Viver a vida, mais uma novela

Caminho das Índias chegava a ser ridícula. É difícil respeitar uma novela de Glória Perez. No entanto, havia coisas que me chamavam a atenção e uma delas era o gracioso pseudosotaque de Tony Ramos. Havia algo de divertido ali. Não posso dizer o mesmo de Viver a vida. O cenário - apesar de enjoadamente belo - deveria pelo menos nos remeter a uma realidade real. Mas não. Nada é real ali. Manoel Carlos consegue fazer algo ainda mais surreal do que os diálogos fakes de Glória. O anúncio prévio e providencial de que a protagonista - mais uma Helena, quem aguenta? - seria negra causou curiosidade. Mas o rebuliço se limitou a isso. O resto é mais do mesmo. Uma Helena feliz, com seu diálogo feliz, cheio de tiradas felizes, que nem mesmo com um texto bem decorado parecem deixar Taís Araújo "natural". Nada há de natural, de normal, de cotidiano (nem o cabelo maravilhoso dela, que me causa sincera inveja). Obviamente falo do meu lugar, de bancariazinha remediada. Afinal, eu nunca dormi num iate; eu não tenho (e provavelmente nunca vá ter) mansão em Búzios; eu não conheço ninguém que, casando após duas semanas de namoro, tenha passado a lua de mel em Paris; eu sei diferenciar terça-feira de sábado; e eu não tenho um cabelo maravilhoso daqueles. Enfim, se há algo que essa novela faz bem, é o fato de nos afastar da realidade. E isso a aproxima daquela literatura tão firulada quanto seus fazedores-consumidores. A mim me falta paciência e sobra suor.

3 comentários:

Márcia Maria disse...

Não assistir a novela "Caminho das Índias" e não assistirei "Viver a Vida" O nosso tempo é precioso e devemos investir em algo que nos edifique.

Naiara André disse...

Concordo com ela. A noite eu gosto mesmo é namorar com meu amor!!!!!!!

Adelaide disse...

Concordo contigo. Não tinha muita paciência com o caminho das índias, mas essa nova é tão superficial que chega a irritar! hehe