01 setembro 2008

Tereza II

As noites de Tetê já não eram as mesmas. Preferia ler J. Borges, o cordelista, em vez dos classudos pomposos autores contemporâneos de outrora. Divertia-se impunemente frente à tv de tela plana e 21 polegadas; cronometrava seus passos, suas atividades. Seu despertador acordava antes mesmo de o dia começar - quisesse ou não, chovesse ou não. Tetê carregava, incansável, o menino, as bolsas e a pedra. Pra cima, pra baixo. Tanto sangue derramado dentro do seu coração.

Um comentário:

Vivianne disse...

Que belo!